segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

A Saga do Tio Patinhas - parte 1

         “O mais humano dos dramas, o mais realista dos contos, e a mais precisa biografia já dedicada a um protagonista desta arte que são os quadrinhos



        Mesmo estas palavras, presentes na contracapa do volume que agora analisaremos, não são nem de longe suficientes para descrever a grandiosidade e a emoção que transbordam de uma das histórias em quadrinhos mais espetaculares, trágicas, fascinantes e sensacionais de todos os tempos. Que não por acaso, em 1995, foi premiada com o Eisner Award de melhor história seriada.

         Fazia um bom tempo que queríamos apresentar aqui, no Corujice Literária, uma resenha à altura de um dos volumes de luxo mais essenciais e magníficos publicados pela editora Abril, A Saga do Tio Patinhas! Mesmo estando fora de catálogo e com exemplares cada vez mais raros e difíceis de encontrar, decidimos escrever a resenha para dividir com vocês a emoção que é ler essa história. E claro, quem sabe incentivar a Editora Culturama, nova casa dos quadrinhos Disney no Brasil, a um futuro relançamento! Sonhar não custa!

         A Saga é obra do norte-americano Keno Don Rosa, que merecidamente ocupa lugar de destaque como um dos maiores artistas Disney de todos os tempos. Fã e discípulo da lenda Carl Barks, ele pesquisou avidamente cada referência do mestre criador do Tio Patinhas, e em um trabalho verdadeiramente monumental elaborou a biografia do quaquilionário para a editora Egmonton, que publicou a obra entre 1992 e 1994. A Saga do Tio Patinhas ganhou três versões pela Abril, as mais interessantes sendo a que saiu em três volumes em 2007, e a maravilhosa edição de 2015 em capa dura.

         Essas são abarrotadas de extras sensacionais, histórias que Don Rosa escreveu depois de completar a Saga e que acrescentam inúmeros detalhes fictícios e históricos para a trama. Sim, pois o artista não somente pesquisou a obra de Barks, mas foi atrás de fatos e personagens históricos para tornar a narrativa ainda mais saborosa. Recomendamos fortemente que não deixe de ler os extras ao final das edições de 2007 ou 2015, pois estes detalham as histórias originais de Barks e as revistas nas quais foram publicadas, nas quais Rosa se inspirou para elaborar a Saga.

         Vamos então saborear essa aventura inigualável, capítulo por capítulo!



Capítulo 1 - O último membro do clã Mac Patinhas


         A história começa com Fergus, patriarca da família, mostrando o castelo dos Mac Patinhas ao filho Patinhas, de dez anos de idade. Apesar do passado glorioso eles não estão em boa situação financeira, e ainda têm que lidar com as rusgas com os Mac Whiskers. Fergus constrói então uma caixa de engraxate para Patinhas, depositando no jovem suas últimas esperanças.

         Por meio de um estratagema de Fergus seu filho ganha sua primeira moeda, a famosa Número 1! Mas é uma moeda americana, e Patinhas se inspira nela para não se deixar enganar mais, e sempre ser mais esperto para ganhar dinheiro. Ele vai evoluindo em seus pequenos negócios, e consegue até expulsar os Mac Whiskers do castelo da família. Ao mesmo tempo, um amigo que encontra ali diz que a moeda americana pode ser uma indicação, e o jovem pato decide ir para a América. Se emocionou? Pois vem mais por aí!


Capítulo 2 - O Senhor do Mississipi



         Patinhas morava na Escócia com o pai Fergus, a mãe, as irmãs Matilda e Hortência e o tio Nicolau. Quando chegou já adolescente ao Mississipi foi procurar seu tio Patico, capitão de barco. Os dois se reúnem com um inventor, Mestre Pardal (Cacciavite Pitagorico na tradução italiana, avô de nosso Professor Pardal, cujo primeiro nome é Archimede. É filho de Copérnico Pardal, amigo e colaborador de John Quackett, o Ladrão de Casaca mais conhecido como Fantomius).

         Porém Patico possui um grande inimigo, Porcolino Ferradura, que convoca os Metralhas para perseguir e roubar os patos. E têm início uma corrida para encontrar o Drennan Whyte, antigo navio de Patico naufragado com uma carga de ouro. Após inúmeras peripécias os Metralhas vão para a cadeia e Patinhas passa a trabalhar com Patico. Nesse ponto Patinhas olha para a Número 1 e pensa como aquela aventura valeu muito mais do que ganhou financeiramente.

         Anos depois Patico vende ao sobrinho o barco e se torna um romancista. Infelizmente a competição com as estradas de ferro se revela cruel para os barcos, Patinhas cruza novamente com os Metralhas, e novamente os bandidos se dão mal. Contudo nosso herói retorna à estaca zero, e decide rumar para o oeste para ser um caubói.

Capítulo 3 - O Caubói das Terras Malditas



         Patinhas viaja de trem até o oeste, porém a composição é atacada por bandidos. O pato, graças a seu espírito aguerrido e combativo, consegue se safar, mas por infortúnio cai do trem. Perdido e só, tendo gasto suas últimas economias para aquela viagem, ele tem a sorte de cruzar com uma caravana com centenas de cabeças de gado. Graças ao sotaque escocês ele cai nas graças de Murdo Mackenzie, rico fazendeiro de gado que comanda o grupo.

         Em suas cartas para a família, Patinhas fala sobre as maravilhosas paisagens da América, a dura vida como caubói e como sente saudades de todos. Até dá o nome de Hortência a sua égua, em homenagem à irmã mais nova e brava. Porém acontece um imprevisto e bandidos infiltrados na caravana roubam o Vingador, touro premiado de Mackenzie. Patinhas, que era o responsável pelo animal, decide ir atrás dos meliantes. Nosso herói segue as pistas até as Terras Malditas, onde salva outro fazendeiro chamado Theodore Roosevelt, que tempos depois seria presidente dos Estados Unidos.

         De Roosevelt, Patinhas recebe importantes lições sobre a busca de aventura, que viria a valorizar ainda mais do que todo o seu dinheiro. “A felicidade não é um monte de moedas, mas o que fez para conquistar cada uma”, diz Roosevelt. O futuro político ainda fala sobre conquistar o sucesso por seu próprio esforço, com talento e trabalho duro, o mérito que infelizmente tem sido tão esquecido em certa nação sul-americana...

         Após uma incrível série de peripécias Patinhas recupera o Vingador, prende os bandidos e é nomeado como administrador do rancho por Murdo. Nosso herói prossegue em sua grande aventura!

Capítulo 4 - O Rei da Colina de Cobre



         Vale a pena comentar que cada capítulo traz imagens ligadas aos acontecimentos de cada parte, montados como fotografias de um álbum organizado por Matilda Mac Patinhas. E o capítulo já começa com mais um revés, pois Murdo Mackenzie faliu devido aos loteamentos de terra. Patinhas decide então se tornar um minerador.

         No pedaço de terra que escolheu ele encontra um metal que manda analisar na cidade, porém se trata somente de cobre. O pato desanima, mas volta a ter esperança quando descobre que o preço do metal subiu devido a seu uso em uma nova tecnologia, cabos elétricos que estão se espalhando por todo o lugar. Infelizmente sua escavação não dava os resultados esperados, enquanto uma grande mina de cobre ao lado agora prosperava.

         Uma nova esperança chega com um rico industrial de nome Howard Patacôncio. Sim, o pai de um dos maiores inimigos de Patinhas. Ele ensina nosso herói a escavar da maneira correta, e eles descobrem que o veio do lote de Patinhas corre na direção da mina de cobre. Howard procura um advogado e, por meio de uma antiga lei, nosso herói se torna o novo proprietário da mina!

         Porém Patinhas precisa lutar com vários espertalhões que querem se apossar da terra e reclamar a posse da mina. Mas o pato é duríssimo na queda, derrota os invasores e é proclamado o novo dono da mina. Porém ele não saboreia a vitória por muito tempo, já que uma correspondência da família pede que retorne para casa sem demora. Na partida Patinhas reflete sobre suas experiências, e como a América é a terra das oportunidades, e podemos ter um vislumbre do futuro gênio financista que se tornou o pato mais rico do mundo!

Capítulo 5 - O Novo Dono do Castelo Mac Patinhas



         A propriedade centenária dos Mac Patinhas está ameaçada pelos eternos rivais Mac Whiskers, e Patinhas chega quando Nicolau, Fergus e Hortência expulsam os integrantes do clã rival. Nicolau até brinca sobre o gênio forte da jovem, torcendo para que não seja hereditário!

         Patinhas usará o cheque que trouxe para pagar os impostos atrasados, mas os Mac Whiskers têm o xerife, parente deles, a seu lado. Os inimigos conseguem fazer o jovem pato a aceitar um duelo, no qual nosso herói leva a melhor. Mas uma incidente coloca Patinhas inconsciente e em perigo de vida.

         Nosso herói vai então para um lugar em meio às nuvens, onde conhece seus antepassados, entre os quais Sir Quackius que já o ajudou no passado. Depois de muita confusão os Mac Patinhas conferem como será o futuro de Patinhas, e mencionam a Caixa-Forte, o sobrinho pavio curto, como ele será o pato mais rico, rabugento e pão-duro do mundo. O jovem é então mandado de volta e derrota definitivamente os Mac Whiskers, e os Mac Patinhas salvam seu castelo. No final Fergus diz ao filho que ele irá encontrar seu ouro no final do arco-íris, e nosso herói promete jamais desistir!

Capítulo 6 - O Terror do Transvaal



         Vale aqui mencionar que quase todos os fatos como históricos e alguns personagens, como Murdo Mackenzie, a era de ouro da criação de gado em Montana no Capítulo 3, a corrida pelo cobre no Capítulo 4 e a corrida do ouro desta parte foram cuidadosamente pesquisados para serem utilizados na história pelo autor Don Rosa. Além disso sua arte primorosa e incrivelmente detalhada encanta os olhos, outro motivo do imenso sucesso desta elogiada Saga. É verdade que o próprio Carl Barks realizada suas cuidadosas pesquisas, sempre tomando o cuidado de levar seus patos aventureiros a locais remotos e reais do planeta!

         Witwatersrand, na África do Sul, é um exemplo desse detalhamento que teve início com Barks e foi seguido por Rosa. Ali realmente aconteceu uma corrida do ouro no final do século XIX, então nada mais natural que Patinhas embarcar nessa aventura. Ele ajuda um pato bôer (descendente dos colonizadores holandeses) em apuros, porém o intruso o deixa sozinho e sem recursos no meio da selva. Nosso herói encara todas as feras do lugar, mas é ele mesmo que vira fera diante da traição que sofreu.

         Com as habilidades desenvolvidas nos anos que já está na estrada Patinhas doma os animais, e monta em um leão até Johanesburgo. Ali ele encara o salafrário que o enganou e faz com que seja preso, comentando que “Não importa se fizer fortuna, pois dinheiro nenhum compra o caráter de alguém”. Nosso herói faz assim mais um inimigo, um certo pato que, na atual animação Ducktales, é apresentado como escocês... Prefiro a versão de Don Rosa para aquele que é o mais detestável inimigo do Tio Patinhas! Infelizmente, depois de três anos sem sucesso, Patinhas decide ir procurar seu ouro no final de outro arco-íris.


Vemos o resto amanhã ;)



Nenhum comentário:

Postar um comentário