quarta-feira, 15 de maio de 2019

Tolkien - resenha do filme










A cinebiografia de Tolkien estréia dia 23/05 e tanto para os especialistas no Professor, quanto para os que desconhecem sua história, mas querem saber mais sobre o homem por trás da caneta que trouxe “O Hobbit” e “Senhor dos Anéis” entre tantos outros para nosso mundo é uma obra de grande valor e um programa imperdível.


            Para alguém que adora suas obras, porém pouco sabia de sua vida, o filme foi ao mesmo tempo emocionante e esclarecedor, levando a querer estudar mais e mais a sua vida, o que foi facilitado pela editora Harper Collins Brasil que deu de brinde ao final da cabine de imprensa um exemplar de “J. R. R. Tolkien – Uma biografia” de Humphrey Carpenter, uma de suas publicações caprichadas com capa de tecido e todo carinho merecido.



Voltemos ao filme... Dirigido por Dome Karukoski e escrito por David Gleeson e Stephen Beresford, Tolkien é interpretado magnificamente na sua infância por Harry Gilby e na vida adulta por Nicholas Hoult. O filme foca nos laços de amizade entre ele Robert Gilson (Albie Marber e Patrick Gibson), Christopher Wiseman (Ty Tennant e Tom Glynn-Carney) e Geoffrey Smith (Adam Bregman e Anthony Boyle) que formam a TCBS – Tea Club Barrovian Society com o objetivo de mudar o mundo com sua arte, música, poesia. Tolkien também descobre o amor com Edith Bratt (Mimi Keene e Lily Collins), que mais tarde assume como sendo Lúthien, em suas histórias.



Tolkien se muda logo no começo de planícies verdes que lembram o condado para uma Londres cinza e movimentada com sua mãe e irmão, guiados pelo padre Francis (Colm Meaney) que é seu tutor após o falecimento do pai. Estudando diversos idiomas até o momento que cria o seu, estranho para muitos, exceto para seu professor em Oxford, Robert Cary Gilson, com quem descobriu sua verdadeira paixão: a filologia.


O filme vai e volta entre as memórias de Tolkien e sua participação na I Guerra Mundial, quando a Inglaterra decretou guerra à Alemanha. Muitas das cenas que conhecemos principalmente em “O Hobbit”, “Senhor dos Anéis” e “Beren & Lúthien” são passadas de relance nas visões do dia a dia, mas principalmente na guerra.

Se me pedissem para descrever o filme em uma só palavra, essa seria “CATIVANTE”, pois uma vida como a dele só pode ser descrita assim.

E para aqueles que assistirem ao filme: HELHEIM!

quarta-feira, 8 de maio de 2019

O Grande Almanaque Disney volume 1




Antes de iniciar mais esta resenha, vale aqui uma informação que nos entristeceu. A recente edição do Festival Guia dos Quadrinhos, realizada nos dias 1 e 14 de abril, comemorando os 10 anos dessa grande festa das HQs e da cultura nerd, foi a última. Seu organizador, Edson Diogo, anunciou que preferiu encerrar o evento com a realização dessa 10º edição, que foi muito especial para todos nós. É com tristeza que recebemos a notícia, mas também com muito orgulho por termos comparecido em várias de suas edições, conhecido amigos e curtido muito essa mídia fantástica que são os quadrinhos. Edson anunciou que passará a se dedicar ao site Guia dos Quadrinhos, que consideramos a melhor fonte de informações em língua portuguesa sobre essa arte maravilhosa.

Está inclusive acontecendo uma campanha para auxiliar nos melhoramentos do site, e todos podem contribuir na plataforma APOIA.se (apoia.se/guiadosquadrinhos). Desejamos a nosso amigo Edson Diogo a melhor sorte, e muito sucesso na nova fase.
Vida que segue!

Pois foi no recente Festival Guia dos Quadrinhos que nós que cobrimos o evento fomos agraciados não somente com um exemplar de O Grande Almanaque Disney, grande lançamento da Culturama no evento, como também com uma conversa fantástica com o mestre Disney Francesco Guerrini. Tanto a entrevista como nossa cobertura do evento podem ser conferidos aqui



O Grande Almanaque Disney, com suas 194 páginas, traz além de histórias maiores em relação as revistas de linha textos extras e entrevistas. Conforme outro amigo, o editor da Culturama Paulo Maffia, será nessa edição bimestral que serão publicadas as grandes
sagas Disney, e por sinal já temos várias sugestões que aguardamos ansiosamente para os próximos números!

Neste número 1 a história de abertura é O Inversor Gravitacional, com roteiro e arte de Francesco Guerrini. Tio Patinhas aceita um convite de Donald e meninos para um final de semana no campo, mas graças a uma moeda desgarrada eles descobrem uma caverna cujo teto é coberto de esmeraldas. Mas elas estão incrustradas no teto, e no parque onde estão é proibido utilizar equipamentos ou máquinas pesadas. Nessas horas, nossos queridos patos recorrem ao Professor Pardal, e ainda bem que nosso inventor favorito não liga muito para dinheiro, do contrário já teria enriquecido com as constantes encomendas do Tio Patinhas!

O quaquilionário consegue as pedras preciosas, mas por um descuido os Metralhas ficam sabendo, e armam um plano bastante inteligente. Eles sequestram o Pardal, e utilizam sua invenção, o inversor gravitacional, para uma série de golpes. Tudo um ensaio para o grand finale, evidentemente um ataque contra a Caixa-Forte.

Após muita luta e reviravoltas, é o Donald que arma um contra-ataque, virando a situação a favor e atrapalhando os bandidos. Estes são derrotados, mas é claro que nosso querido pato fica à mercê dos trabalhos a que o tio avarento o obriga. Uma história divertida onde Donald, o personagem preferido de Francesco Guerrini (e que o artista desenhou no meu exemplar) protagoniza vários papéis, o alívio cômico, o atrapalhado, e o herói que resolve a situação. Por sinal não deixe de conferir a entrevista com o mestre Disney nas páginas que se seguem, realizada por Thiago Gardinali.

A história seguinte é A Volta do Pato Zampata, de Marco Rota, em que Donald volta a interpretar o personagem-título. Uma trama cômica passada em algum ponto entre o oeste norte-americano e o México, na qual nosso herói é apaixonado por uma mocinha, adora a comida de outra garota, e com sua música combate um malvado dono de terras.

Em seguida temos Esquálidus, O Homem do Amanhã, na seção Arquivos Disney, texto assinado por Edenilson Rodrigues e Rivaldo Ribeiro que conta a história do amigo do Mickey que veio do futuro e tem um quê de Senhor do Tempo (Doctor Who para quem não lembra) já que seus bolsos aparentemente têm espaço infinito para inúmeras e variadas coisas e apetrechos. O texto conta suas origens, e várias fotos mostram sua trajetória desde o início. Muitas curiosidades são também apresentadas, e essas páginas são um verdadeiro tesouro para o colecionador!

Paul Halas e Marco Rota assinam, Duelo Descabelado, uma história da Maga Patalógika em que a feiticeira se envolve em um duelo mágico após uma discussão em um bar. Nas páginas que seguem, finalmente, um aperitivo para a grande história dessa primeira edição: Dupla de Heróis: Aconteceu ontem, amanhã ou... hoje? Barbara Garofi assina a entrevista que fez com os dois artistas, Andrea “Casty” Castellan e Massimo Bonfatti. Eles são respectivamente roteirista e desenhista de Tudo Isto Aconteceu Amanhã, história originalmente publicada na edição 3284 (e também 3284B, pois encontramos outra capa alternativa) da Topolino, de 31 de outubro de 2018, celebrando o aniversário de 90 anos do Mickey.

Conforme explicado, a trama agora publicada em O Grande Almanaque Disney 1 é uma sequência de Tudo Isto Acontecerá Ontem, que aqui saiu em Mickey 883 e 884 em 2016 pela Abril. Na Topolino foi publicada originalmente no número 3130 em 2015, e narra como o Mickey atual foi parar na década de 1930, conhecendo as versões mais jovens não somente dele mesmo, mas de Minnie e do Pateta. Tudo isso em meio a mais um plano do vilão Bafo-de-Onça de conquistar o mundo, o que ele esteve muito próximo de conseguir. Felizmente nossos heróis o impediram. Mas Mickey cometeu um erro ao voltar para casa. Manteve a Luva de Amnézja guardada, e eventualmente Bafo teve de novo em suas mãos o artefato com que quase obteve a vitória final no passado. E a história parte daí.

Na verdade, e esse é um dos pontos mais originais da trama, há nada menos que quatro prólogos, que contam diferentes aspectos da história. No primeiro Mickey leva Minnie às compras (isso na época atual), e ela demonstra estar incomodada pelo comportamento vazio, até fútil, de seu amado. Já o segundo prólogo se passa nos anos 30, em uma bela confusão envolvendo as versões mais jovens de Pateta, Mickey e Minnie.

Do terceiro prólogo não falaremos, e do quarto diremos somente que um smartwatch da moda, que todos estão usando, é um elemento fundamental em toda a trama. E assustador também. Podemos dizer que o domínio do Bafo mostra um mundo distópico digno de 1984 de George Orwell, o que nos leva a pensar se nós mesmos estamos utilizando corretamente a tecnologia que temos ao nosso dispor. Até o Mickey do passado, quando recebe a explicação da situação, dá um duro e significativo recado.
Essa finesse é um exemplo do que diferencia uma HQ especial daquela comum, do tipo “leu e acabou-se, vou tocar minha vida”. Em uma incrível sucessão de peripécias, ação, perigo, várias linhas temporais, nossos heróis do presente e do passado são auxiliados pelos professores Zapotec e Marlin em uma incrível aventura para frustrar os planos do Bafo. E que mundo assustador e aterrador ele criou. Suas “manifestações artísticas” fazem pensar em certos gêneros e artistas onipresentes na televisão de certa nação sul-americana...

Casty e Massimo contam na entrevista as dificuldades de lidar com as várias linhas temporais envolvidas, a fim de todos os aspectos da trama se encaixarem perfeitamente. Castellan comenta que não desejava fazer uma sequência da aventura anterior, que realmente é sensacional, mas foi persuadido não somente pelos pedidos dos fãs, mas também da editora da Topolino na época, Valentina De Poli. Já Massimo comenta como foi difícil a tarefa de trabalhar com Casty exclusivamente online, já que eles moram a mais de 300 quilômetros um do outro, e as dificuldades de combinar as diferentes linhas temporais com os detalhes do ambiente e o vestuário dos personagens, entre outros aspectos. Houve muita preocupação também em não repetir o que fizeram antes, sempre em respeito aos leitores e seus inúmeros fãs. O resultado merece todos os aplausos, pois Tudo Isto Aconteceu Amanhã fecha com brilhantismo essa primeira edição de O Grande Almanaque Disney da Culturama. Uma história emocionante, divertida, ambientada em um mundo distópico verdadeiramente assustador, e em que todos os personagens têm um papel fundamental na resolução da trama. Inclusive o(s) Pateta(s), YES!!! Sim, para nós ele sempre será o melhor personagem do núcleo do Mickey!

O Grande Almanaque Disney é mais um grande lançamento da Culturama, a nova casa dos quadrinhos Disney no Brasil, e acerta em cheio nessa primeira edição, bem dentro de sua proposta. Mal podemos esperar pelos próximos números dessa revista bimestral, pois há muitas grandes sagas Disney que queremos ler. Algumas das quais, aliás, apresentamos abaixo, só para não deixar nossos amigos da Culturama esquecer.

- Orgoglio e pregiudizio, versão Disney para Orgulho e Preconceito, de Jane Austen (a Má me bate se não colocar esta primeiro, sabe...). Os autores são Teresa Radice (roteiro) e Stefano Turconi (desenho e arte-final) os mesmos da antológica Pateta Repórter. As quatro partes foram publicadas em Topolino 3292, 3293 e 3294, entre dezembro de 2018 e janeiro de 2019.


- Donald Quest, trama que mistura elementos de fantasia com Steampunk, e os mestres Disney envolvidos foram Stefano Ambrosio, Chantal Pericoli, Andrea Freccero, Paolo De Lorenzi, Francesco D'Ippolito, Stefano Zanchi e Vitale Mangiatordi. Saiu nas edições 3240, 3241, 3242, 3243 e 3244 de Topolino.


- Os Mágicos de Mickey, saga fantástica quer combina os núcleos do Mickey e do Donald, e tem se estendido por diversas edições desde 2009. Sua mais recente trama foi Destino, nas Topolino 3302 e 3303, de 6 e 13 de março deste ano.
 
- Superpato Nova Era, a Abril já havia publicado três das histórias desta fase, além do especial Crime Temporal, em que os dois alteregos heróicos do Donald, Superpato e Donald Duplo, se encontram. As quatro últimas histórias permanecem inéditas no Brasil, sendo Cronaca di un ritorno, nas Topolino 3181, 3183 e 3185 em 2015; Il Marchio di Moldrock de 2017, nas Topolino 3205 a 3208; L´orizzonte degli eventi, publicada em 2018 nas Topolino 3250 a 3254; e a recente Droidi, em novembro de 2018 nas Topolino 3287 a 3289.

- Donald Duplo teve 29 histórias publicadas desde 2008, e no Brasil a última foi Presentes de Natal, na Disney Big 36 da Abril, além da acima mencionada Crime Temporal. Cinco histórias permanecem inéditas.

- Fantomius, o antecessor do Superpato desenvolvido de forma magistral nas tramas de Marco Gervasio, era publicado pela Abril nas edições do Tio Patinhas. As três histórias mais recentes permanecem inéditas no Brasil, e foram descritas no especial sobre o personagem publicado no blog Escritor com “R”.

Bem, está apresentada a resenha, e nossa modesta lista de pedidos para as próximas publicações da Culturama. O Grande Almanaque Disney é o mais novo lançamento em quadrinhos Disney da editora, um grande presente para os colecionadores e fãs. Aguardamos com ansiedade as próximas edições!

terça-feira, 30 de abril de 2019

Love Death and Robots - Resenha da série



            A partir do momento em que assisti o alucinante trailer da série de animação Love, Death and Robots do Netflix senti uma imensa vontade em assistir aos episódios. Os comentários positivos dos amigos nas redes sociais foram o incentivo que faltava, e na semana passada maratonei a série ao longo de algumas noites.



            Poderia ter sido de uma tacada só? Claro que sim! Ainda mais que os episódios giram em torno de aproximadamente 5 a 15 minutos de duração. Porém, diante da qualidade soberba da maioria das histórias, cumprindo o objetivo primeiro da boa, velha e querida ficção científica, que é além de entreter fazer pensar, é melhor mesmo ter mais tempo para saborear as tramas.

            Que, ainda bem, não possuem absolutamente nenhum traço do famigerado politicamente correto que tem estragado tantas histórias nos últimos tempos. Sim, há nudez, cenas de sexo, gore, sangue escorrendo na tela, por vezes até de forma exagerada em alguns episódios. É evidente que a qualidade destes varia bastante, mas ao menos nos melhores (e não há nenhum episódio realmente ruim, somente mais fraco que outros) tudo está bem inserido no contexto.

            Um dos aspectos mais fantásticos da série é o fato de seus episódios serem adaptações de contos de variados autores. Entre os nomes conhecidos estão Marko Kloos, Alastair Reynolds e John Scalzi, e o melhor de tudo é que a maioria das histórias pode ser lida online. Abaixo vamos disponibilizar os links, combinado?

            É bom avisar que em vários sites por aí os finais das histórias estão sendo explicados (como se o expectador não tivesse cérebro para entender, vá lá), então se quiser conferir Love, Death and Robots como se deve fuja destes, falou? Aqui falaremos em linhas gerais das tramas, mas não entregaremos nada, evidentemente! Vamos aos episódios, portanto:

- A VANTAGEM DE SONNIE (Sonnie's Edge)
Um submundo onde a grande atração são lutas entre monstruosos animais predadores. Os lutadores controlam suas feras graças a implantes cibernéticos, e Sonnie é a melhor entre eles, com recorde de vitórias. Um empresário ganancioso quer propor um trato para que ela perca uma luta, ao que a garota se recusa. O final tem uma virada espetacular, mostrando qual é a vantagem de Sonnie. Alertas: violência, gore, palavrões.

O conto original de Peter F. Hamilton pode ser lido aqui.


- TRÊS ROBÔS (Three Robots)

Três autômatos fazem às vezes de turistas em um mundo pós-apocalíptico, com direito a referência de O Exterminador do Futuro. Eles conversam sobre a vida, como não entendiam os humanos e o que vitimou os ocupantes anteriores do planeta. Até que encontram um ser biológico sobrevivente, e acontece uma virada. Um dos episódios mais divertidos da série. Alertas: palavrões e linguagem chula.

O conto original de John Scalzi (autor entre outros de Guerra do Velho, publicado pela Aleph) não está online. Com o título original de Three Robots Experience Objects Left Behind from the Era of Humans for the First Time, foi publicado na antologia Robots vs. Fairies.

- A TESTEMUNHA (The Witness)

Uma garota testemunha da janela de seu apartamento um brutal assassinato, e é perseguida pelo assassino. Ela é dançarina exótica, se refugia no trabalho, mas quando o homem aparece ali precisa fugir às pressas. Isto posto, houve reclamações em alguns sites a respeito da nudez apresentada, já que a garota corre em sua fuga coberta somente por um casaco. Contudo, diante do contexto apresentado, não consideramos que houve nada gratuito. Visual bastante psicodélico, e um dos finais mais surpreendentes da série. Alguém assistiu ao episódio Monday de Arquivo-X? Lembra um pouco. Alertas: palavrões, violência, nudez.

Este episódio não é a adaptação de um conto.






- PROTEÇÃO CONTRA ALIENÍGENAS (Suits)
Uma comunidade rural onde todas as famílias são amigas e se ajudam mutuamente é alvo de alienígenas ferozes que surgem através de portais. Para combatê-los os fazendeiros utilizam mechas, trajes pesados robotizados repletos de armamentos. Uma luta desesperada pela sobrevivência, de novo com um final muito surpreendente. Alertas: palavrões e violência.

O conto original é de Steven Lewis, publicado na antologia SNAFU: Future Warfare, e quase todo ele pode ser lido no preview dolivro na Amazon.
 
- SUGADOR DE ALMAS (Sucker of Souls)
Uma expedição arqueológica dá muito errado quando um antigo e conhecido demônio é despertado acidentalmente. Alertas: palavrões e violência.

Sucker of Souls é de Kirsten Cross e faz parte da antologia SNAFU: Survival of the Fittest, também na Amazon.

- QUANDO O IOGURTE ASSUMIU O CONTROLE (When the Yogurt Took Over)
O episódio mais nonsense, leve e divertido de toda a leva. Por meio de engenharia genética cientistas produziram uma molécula de DNA capaz de processamento de dados. Quando inadvertidamente esta foi combinada a um iogurte caseiro, surgiu uma massa pensante capaz de, em uma tacada, resolver todo o déficit do governo. Os fatos levam finalmente à tomada do poder mundial pelo iogurte. Poderá ser uma boa opção para as próximas eleições brasileiras? Tranquilamente entre os três melhores episódios de Love, Death and Robots! Alertas: nenhum.

O conto original também é de John Scalzi e está disponível em seu blog.


- PARA ALÉM DA FENDA DE ÁQUILA (Beyond the Aquila Rift)
Um dos trabalhos de animação mais espetaculares e bonitos de toda a série. Uma nave de transporte aguarda na fila para atravessar um portal hiperespacial, mas quando os astronautas acordam da hibernação percebem que não estão onde seria seu destino. O capitão se surpreende ao ser acolhido por uma conhecida que é uma antiga paixão do passado, que lhe revela que foram parar a uma distância inconcebível de casa, a Terra. Porém, quando a verdadeira situação é revelada, nos confrontamos com uma das viradas finais mais espetaculares e estarrecedoras da série. Alertas: nudez feminina e masculina, sexo, palavrões, degradação.

Alastair Reynolds é o autor do conto original, que foi publicado em Constellations: The Best of New British SF e também em Beyond the Aquila Rift: The Best of Alastair Reynolds.

- BOA CAÇADA (Good Hunting)
O filho de um caçador de seres sobrenaturais desenvolve uma afinidade com uma huli jing, ser mítico do folclore chinês capaz de mudar de forma. Ambos são atingidos pelo progresso de sua região, com resultados muitas vezes trágicos. Mas a jornada de ambos resulta em um retorno às origens, proporcionando à huli jing conseguir a vingança que busca. Belíssima animação 2D para uma história steampunk. Alertas: nudez, violência, gore.

Good Hunting, o conto, é de autoria de Ken Lui e foi originalmente publicado na revista Strange Horizons em 2012. Depois saiu em seu livro The Paper Menagerie and Other Stories.


- O LIXÃO (The Dump)
Um agente municipal vai entregar uma ordem de despejo em um ferro-velho ou lixão, habitado por um velho apropriadamente chamado de Ugly Dave. Este conta a história de como tem vivido ali por muitos anos, tomando conta do lugar ao lado de seu bicho de estimação. O que o agente não faz ideia é a natureza do tal bicho... Excelente episódio. Alertas: nudez masculina, violência, palavrões.

The Dump foi publicado na Rod Sterling’s Twilight Zone Magazine em 1981, e depois foi publicado em antologias como Bumper Crop e A Little Green Book of Monster Stories. Seu autor é o escritor de horror Joe Landsale.

- METAMORFOS (Shape-Shifters)
No Afeganistão, soldados lobisomens são de grande auxílio para sua unidade militar, mas sua presença não é nem de longe unanimidade. Mas o exército norte-americano não é o único a dispor desse tipo de combatente. Alertas: nudez masculina, violência, palavrões.

Marko Kloos é autor do conto original, On the Useof Shape-shifters in Warfare, lançado na Amazon como e-book.


- AJUDINHA (Helping Hand)
Uma astronauta em missão rotineira no espaço se vê em maus bocados quando fica à deriva. O socorro não chegará a tempo, e ela precisa tomar medidas extremas para tentar sobreviver. Uma das tramas que consideramos mais fraca da série. Alertas: gore, palavrões.

Claudine Griggs é a autora do conto original, publicado em uma edição especial da Lightspeed Magazine’s “Queers Destroy Science Fiction em 2015.

- NOITE DE PESCARIA (Fish Night)
Um pai e um filho viajam pelo deserto quando seu carro quebra. As surpresas começam quando chega a noite. Visualmente é muito bonito, mas a trama é também muito fraca, comparado à maioria dos outros episódios. Alertas: palavrões, nudez masculina.

A história original também é de Joe Landsale, e pode ser lida online no The Horror Zine.


- 13, NÚMERO DA SORTE (Lucky 13)
Sci-Fi militar, mostrando uma piloto novata que deve pilotar uma nave de transporte que mais ninguém quer usar. O veículo já vitimou várias tripulações, mas por algum motivo a militar sempre consegue retornar à base. Ótimo episódio cheio de ação. Alertas: violência, palavrões.

Lucky 13 também é de Marko Kloos, e igualmente está disponível como e-book na Amazon.


- ZIMA BLUE
Simplesmente o melhor e mais belo episódio da série. Zima é um famoso artista cujas obras têm inspirado muitas pessoas, na Terra e fora dela. Uma jornalista conta sua história, passando pelas fases de seu trabalho, e foi chamada pelo artista para conhecer sua verdadeira origem e cobrir a revelação de sua última obra. Belíssimo, reflexivo e questionador, nos leva a pensar sobre o que é ser humano e o que de fato buscamos na jornada pessoal de cada um de nós. Ficção científica da melhor qualidade, obrigatório! Alertas: nenhum.

O britânico Alastair Reynolds igualmente assina Zima Blue, publicado pela primeira vez em 2005 na edição 4 revista Postscripts. Mais recentemente saiu em Zima Blue and Other Stories.



- PONTO CEGO (Blind Spot)
Episódio de trama simples, no qual uma equipe de ciborgues ataca um comboio do qual pretendem roubar uma carga preciosa. Claro que o plano não sai como imaginaram. Muita ação em uma história cyberpunk. Entretanto, ficam claras as vantagens que os futuros seres híbridos terão. Alertas: violência, palavrões.
Esta trama também não foi baseada em um conto.

- ERA DO GELO (Ice Age)
Um jovem casal se muda para um novo apartamento, e se surpreende com o conteúdo do congelador da velha geladeira. Mais não podemos contar para não estragar outro dos melhores episódios da série. Mistura animação com live action, com as participações dos atores Mary Elizabeth Winstead e Topher Grace. Se quiserem referência, assistam a este vídeo com um experimento para feira de ciências da Lisa Simpson. Alertas: palavrões.

The Simpsons - Lisa's Tub Universe



O conto Ice Age é de autoria de Michael Swanwick, e foi publicado em seu livro Tales of Old Earth.



- HISTÓRIAS ALTERNATIVAS (Alternate Histories)
O episódio realiza, de várias formas, um dos maiores fetiches de certos viajantes do tempo: matar Adolf Hitler. A cada vez, as consequências se tornam mais distintas, estranhas e engraçadas. Episódio cômico que, ao lado de Quando o Iogurte Assumiu o Controle tem uma animação de estética quase infantil e cartunesca, apesar de alguns temas um tanto mais pesados durante a história. Imperdível. Alertas: sexo.

Missives From Possible Futures #1: AlternateHistory Search Results é o título do conto original, cujo autor é novamente John Scalzi. E pode ser lido online clicando aqui.


- A GUERRA SECRETA (The Secret War)
A história se passa na Sibéria durante a Segunda Guerra Mundial. Uma unidade de elite do Exército Vermelho da então União Soviética enfrenta a perigosa missão de lidar com criaturas predadoras trazidas ao nosso mundo por um especialista em ocultismo anos antes. Típica história de drama pessoal de soldados em situações limite, que encerra a primeira temporada de Love, Death and Robots com uma animação de estupenda qualidade, apesar de não ser das histórias mais marcantes da série. Alerta: violência, gore.

O conto original também é de David Amendola, publicado em mais uma antologia da Cohesion Press, SNAFU: Hunters.


            Eis aí nossas impressões sobre os episódios de Love, Death and Robots. Uma série excelente, que tem a maioria de seus episódios explorando o que de melhor a ficção científica tem a oferecer. Cabe ainda confessar uma pequena inveja dos autores estrangeiros, cujas obras encontram muito maior facilidade de migrar para outras mídias com excelentes resultados.
            Aqui no Brasil, infelizmente, não é assim. Iniciativas nesse sentido são extremamente raras, isso quando o autor consegue ser publicado, o que também de forma lamentável tem se tornado cada vez mais difícil nos últimos tempos. Autores e histórias de excelente qualidade, que chegam até a rivalizar com vários dos contos que inspiraram a série da Netflix, não nos faltam.
            Se permitem a este escriba acionar o modo jabá, eu mesmo tenho explorado muitos dos gêneros presentes em Love, Death and Robots. Isso pode ser conferido, por exemplo, no artigo Literatura Punk em meu blog Escritor com “R”.


            Explorar outras realidades também tem sido uma das vertentes de meu trabalho, como por exemplo em A Lista: O País do Carnaval. A série A Lista já foi publicada na saudosa revista Sci-Fi News, e tomou parte de várias antologias.



            Para finalizar, fica nossa torcida para que o sucesso de Love, Death and Robots abra os olhos dos produtores brasileiros, pois temos muita ficção científica da melhor qualidade em nosso país, somente aguardando a primeira oportunidade de brilhar em outras mídias. Garantimos que, quando isso acontecer, vai valer muito a pena.


terça-feira, 16 de abril de 2019

Como foi: Festival Guia dos Quadrinhos 2019


            Para nós do Corujice Literária o Festival Guia dos Quadrinhos 2019 começou mais cedo, em plena sexta-feira dia 12 de abril, quando tivermos o imenso prazer de entrevistar Francesco Guerrini em meio à montagem dos stands no Hakka Plaza, situado na Rua São Joaquim, 460 e local do evento.







            Conversamos com o simpaticíssimo artista Disney italiano contando com o providencial auxílio do jornalista Thiago Gardinale na tradução, a quem deixamos um muito obrigado! Eu, Renato, havia levado dois exemplares de quadrinhos Disney para receberem o autógrafo de Francesco, o Almanaque Disney 373 com sua história mais conhecida, A Pataca Fatal, e Superpato - Novas Aventuras n° 3 Terremoto.

            Francesco já nos conquistou quando vimos seus olhos brilhando diante das edições, sem dúvida grato por estar diante de fãs de seu trabalho. A entrevista teve início com perguntas a respeito do universo de ficção científica do Superpato, Novas Aventuras, do qual ele foi um dos primeiros colaboradores. Entre outros detalhes preciosos, contou que em Terremoto, em uma das cenas iniciais onde aparece uma caneca cheia de café, inseriu uma referência ao filme Jurassic Park de 1993, mas infelizmente esta desapareceu na colorização. E ele fez os detalhes de como desenhou a cena originalmente em meu exemplar, YES!







            O artista comentou ainda que os autores da série em seu início, em 1996 na Itália, tinham uma grande liberdade criativa e as tramas eram bastante experimentais. Porém comentou que depois foram chamados criadores não familiarizados com o universo Disney, e parte desse sabor se perdeu. Por sinal, recomendo a todos que acompanhem no blog Escritor com “R” a série de artigos sobre Superpato – Novas Aventuras, na qual estou analisando cada uma das 50 edições dessa sensacional saga de ficção científica, comemorando ainda os 50 anos de criação do Superpato.


            Sobre A Pataca Fatal, Francesco comentou que a princípio ficou espantado com a imensa responsabilidade da tarefa, uma vez que essa história é um remake e homenagem a O Trenzinho da Alegria, clássica história de Carl Barks de 1951, e ele comentou que seria como se lhe pedissem para repintar a Capela Sistina. Folheando meu exemplar, mostrou como elaborou cada cena, e até mesmo tomou inspiração diretamente nos desenhos de Carl para criar os seus, sempre mostrando um imenso respeito pela obra do Homem dos Patos, como Barks é também conhecido.


            Depois de desenhar no novíssimo Grande Almanaque Disney e assinar seu nome nos demais exemplares, tiramos fotos com Francesco que nunca deixou de exibir uma simpatia e um carinho exemplares. Um grande artista e um perfeito gentleman! E claro, confiram no vídeo nossa entrevista completa!






            No sábado finalmente teve início a edição 2019 do FGDQ, especialíssima pela comemoração dos dez anos do evento, e o Hakka Plaza se revelou um local perfeito para abrigar a festa. Entrando no enorme salão tínhamos o palco à esquerda, onde aconteceram várias apresentações, palestras e atividades, e uma linha dos maiores stands do evento separando essa parte dos demais expositores.


            O primeiro grande stand era da Culturama Editora, e a fila para autógrafos de Francesco Guerrini permaneceu imensa ao longo de todo o dia. Em destaque as já famosas caixas com as cinco edições mensais e O Grande Almanaque Disney, este uma nova edição bimestral que trará as grandes sagas da Disney. Conversamos bastante com o editor Paulo Maffia e demais amigos que já formamos ali, como Janaína Silva, Glítcia Soares Nobre e Juliana Corso Thomaz. Todos, sem exceção, extremamente atenciosos e sempre perguntando se nós precisávamos de mais alguma coisa para a cobertura do evento que estávamos fazendo. PS: abraços e carinho a todos!




            Esse contato tão atencioso e gentil que a Culturama está tendo com os fãs é um exemplo a ser seguido! Sem dúvida sua história com a Disney, que está somente em seu início, será muito longa e prolífica, e a eles só temos a dizer: obrigado! Para conhecer mais o trabalho deles é só clicar no banner que colocamos aqui do lado.

            E claro, aproveitei e iniciei o loot do evento, com a caixa dos número 1 das edições mensais. Podem conferir nas fotos, vale muito a pena!

            Depois visitamos o stand ao lado, da Komic Kazi, com uma incrível coleção de quadrinhos e memorabilia do Batman. Continuando, seguimos para o stand da Comic Hunter, loja especializada em quadrinhos que trouxe para os fãs uma enorme variedade de exemplares, nacionais e importado, abrangendo décadas de criação da Nona Arte. E como sempre, é possível encontrar vários exemplares interessantes, confiram por sinal nas imagens de nosso loot.

            Loot este, aliás, que foi aumentado quando paramos para conversar com o também simpaticíssimo e divertido Carlos Ruas. Suas tirinhas Um Sábado Qualquer e Cães e Gatos são absolutamente hilárias, merecidamente fazendo dele um dos quadrinistas brasileiros de maior sucesso da atualidade. Este escriba, que já tinha Deus por Trás das Câmeras, adquiriu os volumes seguintes, Boteco dos Deuses e Fique com os Deuses. A Má não resistiu a um copo e uma arte de Cães e Gatos, tudo devidamente autografado pelo autor. Carlos até gravou um vídeo conosco, que já pode ser conferido em nosso Instagram!




            Outro bom amigo que encontramos foi Tom Dutra, pela primeira vez participando de um Artist´s Alley, com sua revista Dicas do Tom e seu primeiro livro de tirinhas!


            Entre visitas a stands e conversas, mal nos demos conta de que as 17 horas estavam chegando, e lá fomos para o auditório conferir a apresentação do painel Disney e Culturama. Tomaram parte o editor Paulo Maffia, Thiago Gardinali e claro, Francesco Guerrini. Gravamos essa parte também, mas entre os comentários que podemos acrescentar estão:

- Paulo Maffia comentou que no FGdQ de 2018 já havia sido informado pela Abril, antiga editora da Disney no Brasil, de que os quadrinhos não teriam continuidade. Evidentemente não tinha autorização para divulgar essa informação, mas foi orientado pelo então editor Sergio Figueiredo para realizar uma grande apresentação para os fãs, o que fez com louvor. Momento emocionante quando ele lembrou que, passado um ano, está novamente encerrando um ciclo, o do lançamento dos quadrinhos Disney pela Culturama.

- Francesco Guerrini comentou sobre o início de sua atuação pela Disney, como se surpreendeu pela grande quantidade de pedidos para desenhar o Tio Patinhas, que é mais popular no Brasil que na Itália, e como sente uma enorme satisfação quando os fãs apreciam seu trabalho. Encantado com o carinho dos brasileiros, ainda disse que seu personagem preferido é o Donald, pois é muito versátil e pode fazer qualquer coisa, desde ser o alívio cômico até o herói de uma história.

- Foi apresentado um vídeo, gravado por Thiago Gardinali na Itália com vários artistas desejando votos de sucesso para a Culturama e de muito carinho para os fãs brasileiros. Desde o próprio Francesco Guerrini, passando por Teresa Radice e Stefano Turconi (autores de Pateta Repórter), Marco Gervasio (criador da saga de Fantomius, que foi analisada em uma série de artigos no Escritor com “R”) e muitos outros.


            Por sinal, durante a entrevista de Gardinali com Gervasio, é possível ver na mesa ao fundo bonecos de Fantomius e sua companheira, Dolly Páprika!

            Ainda ficamos um bom tempo conversando no stand da Culturama, parabenizando-os pela iniciativa e comentando histórias que gostaríamos de ler em português. Nossas preferidas imediatas são:

- Má: Orgulho e Preconceito, sátira do clássico de Jane Austen publicada na Itália no ano passado, nas edições 3292, 3293 e 3294 da Topolino. E por sinal, de autoria dos já mencionados Teresa Radice e Stefano Turconi.



- Renato: As três histórias ainda inéditas no Brasil de Fantomius; La notte delle gemme publicada na Topolino 3273; a maravilhosa I due vendicatori da Topolino 3275, na qual o genial Marco Gervasio promove o histórico encontro de Fantomius com seu sucessor, o Superpato; e La settima arte, da Topolino 3280.

            E nem comentei ainda sobre Donald Quest, as ainda inéditas de Superpato Nova Era, a mais nova série de ficção científica de nosso maior herói...

            Entre os amigos com quem conversamos estavam ainda Marcelo Borba, do grupo Disneyanos (que fez mais um encontro oficial durante o evento), Mauricio Muniz e Manoel de Souza, Felipe Folgosi, Barquinho Cultural, Laranja Cast, Alexandre Cavalcante e claro, Edson Diogo, o criador dessa grande festa!



            Como sempre, o Festival Guia dos Quadrinhos foi um excepcional evento, sem dúvida o mais importante do ano para os autênticos fãs dessa arte tão fascinante e seus personagens que tanto nos cativam. A organização está de parabéns, e já estamos contando os dias para o próximo!   

Pitaco da Má sobre o evento:
Lugar escolhido foi ótimo. A mudança do Club Homs para o Espaço Hakka foi muito inteligente por uma série de motivos:
- Espaço para o palco não atrapalhava os stands;
- Espaço entre as mesas tanto dentro (para os standistas) como fora era bom para a circulação de pessoas, mesmo que tivessem algumas paradas vendo as novidades dali;
- Três locais diferentes para alimentação, um no térreo com frozens e dois no andar de cima com lanches e Maid Café (com um super Princess Coffee que eu repeti!), no andar de cima ainda tínhamos várias mesas para comer tranquilos;
- RPG em algumas mesas que quase não parou;
- Aula de desenho que acontecia a cada hora e com professor atencioso;
- Expo Batman no andar de cima;
- Uma ótima vista do que acontecia lá no andar de baixo.
           
            O evento foi muito bom. Pudemos ver amigos antigos, fazer novos e ainda aproveitar muito. O loot foi grande, mas acho que o loot maior foi na tarde gostosa e na ansiedade para o próximo FGdQ! Até lá!