domingo, 24 de fevereiro de 2019

Como foi: Lançamento HQs Disney Culturama











            Depois de meses de expectativa, muitas teorias e especulações e algumas rusgas com pessoas que provavelmente não devem ser chamadas de fãs de quadrinhos, o momento finalmente chegou! A Editora Culturama realizou uma grande festa no Espaço de Eventos Coco Bambu, no bairro da Casa Verde em São Paulo, para apresentar as capas das cinco históricas edições número zero que marcam o início de seu trabalho publicando os quadrinhos Disney.







            Logo na entrada uma série de cavaletes recebiam os participantes do evento com as artes que vários mestres Disney desenharam para saudar a união Disney e Culturama, que são:

- Superpato de Marco Gervasio;




- Teresa Radice e Stefano Turconi com Minnie e Pateta de Pateta Repórter;



- Primaggio Mantovi com o Senhor Disney e o Mickey;


- Moacir Rodrigues Soares com o Mickey falando “gauchês” (a sede da Culturama se localiza em Caxias do Sul);


- Luiz Podavin fazendo nosso querido Zé Carioca embarcar com uma etiqueta RS em sua mala para estes novos e promissores tempos;



- Francesco Guerrini com seu Donald também saudando a Culturama;


- Morcego Vermelho, de Carlos Edgard Herrero;


- Mickey saudando a Culturama, por Casty;


- Brigitte de Silvia Ziche.


            Por sinal vale adiantar uma preciosa informação: o italiano Francesco Guerrini tem presença confirmada no Festival Guia dos Quadrinhos, que acontece nos dias 13 e 14 de abril aqui em São Paulo!



            Encontramos e conhecemos muitos amigos com quem há tempos temos contato. O próprio editor Paulo Maffia, Paulo Gustavo, Sidney Gusman, Manoel de Souza da revista Mundo dos Super-Heróis (e que ao lado de Mauricio Muniz está dando os retoques finais no livro Os Quadrinhos da Editora Abril, a ser lançado em breve), Edson Diogo, organizador do Guia dos Quadrinhos, melhor fonte de consultas brasileira para quem busca informação, e que está suando a camisa para realizar esse grande Festival que completa dez anos, Marcelo Borba do grupo Disneyanos do Facebook, Tom Dutra, e muitos outros! E por favor nos desculpem se esquecemos de alguém, as emoções durante o evento estavam, claro, à flor da pele!


            Outro a recepcionar quem chegava ao evento era o desenhista Fernando Ventura, e era inevitável ficar minutos a fio admirando sua arte em inúmeros personagens Disney. Fazendo várias poses víamos Donald, Mickey, Tio Patinhas e vários outros, até mesmo o Professor Ludovico! A Má ficou com outro querido Professor, o Pardal, acompanhado de seu fiel Lampadinha, e o Renato levou para casa, claro, o maior herói da Disney, o Superpato!





            A cerimônia teve início com a apresentação do jornalista Thiago Gardinali, parte da equipe de tradutores da Culturama, e declarações também do diretor geral Fabio Hoffmann, da editora chefe Naihobi Rodrigues, e do editor Paulo Maffia. Todos comentaram a respeito da trajetória da empresa, que tem contratos com a Disney desde 2015, culminando agora com a publicação dos quadrinhos. A inovadora estratégia de distribuição da Culturama, que já possui mais de 2.000 pontos de venda espalhados pelo Brasil, também foi destacada, incluindo além das tradicionais bancas também farmácias, papelarias, supermercados e outros locais.







            Thiago retornou ao palco e convidou várias pessoas para revelar finalmente as capas das edições número 0. Uma de cada vez foram descobertas Mickey, Tio Patinhas, Aventuras Disney, Pateta e Pato Donald, rendendo uma calorosa salva de palmas. Depois das inúmeras fotos foi a vez de mais uma surpresa: Donald em pessoa aparecer para alegrar a festa e foi formada uma longa fila já que todos queriam uma foto com seu herói!
 
Fonte: Equipe Culturama



            Já havíamos reparado em um expositor com as cores da Culturama escondido ao lado da entrada, e nesse momento ele foi colocado ao lado da exposição das artes dos mestres para todos conferirem e tirarem fotos dessa outra novidade da Culturama. Depois foi finalmente servido o jantar, que por sinal estava ótimo, animando as conversas em todas as mesas.

            Entre as novidades prometidas por Paulo Maffia, com quem conversamos ao longo do evento sempre que conseguíamos, estão: Grande Almanaque Disney, lançamento no Festival Guia dos Quadrinhos, formato americano, 193 páginas, no qual serão publicadas grandes sagas e muitos textos e artigos extras; especiais temáticos como Dia dos Namorados e Halloween; um especial comemorativo dos 85 anos de nosso querido Pato Donald, pela primeira vez mostrando sua infância e adolescência, e como recebeu a tarefa de cuidar dos sobrinhos. Anteriormente Maffia já havia comentado a respeito das grandes chances de publicar o novo Manual do Escoteiro Mirim inspirado na atual série Ducktales.


            E o conteúdo? Afinal o que trazem essas belas edições número zero da Culturama? Não daremos spoilers, evidentemente, já que ainda as estamos lendo, e elas ainda não chegaram às bancas! Mas deixaremos aqui o título das histórias que abrem cada edição, bem como os nomes dos artistas e outras informações, combinado?

- Mickey 0, Mickey e a aventura sob medida, roteiro de Francesco Artibani e arte de Lorenzo Pastrovicchio, primeira publicação em Topolino 3286 de 14 de novembro de 2018;



- Tio Patinhas 0, O grande amor do Tio Patinhas, roteiro de Bruno Concina, arte de Giorgio Cavazzano;


- Aventuras Disney 0, Superpato e o Azarraio, roteiro de Byron Erickson, arte de Andrea Freccero;


- Pateta 0, Pateta e Mickey em A profecia dos Saurotecas, roteiro de Vito Stabile, arte de Marco Mazzarello, publicada em Topolino 3276 de 5 de setembro de 2018;


- Pato Donald 0, Um golpe na Escandinávia, roteiro de Carol McGreal e Pat McGreal, arte de Arild Midthun.






            Todas as edições trazem as informações de praxe no expediente em sua última página, e com algo que foi motivo de polêmica para uma pequena minoria, mas que a imensa maioria aplaudiu. Ao lado do número zero, as revistas trazem outro número precedido da sigla R.P.B. Esta se traduz por Revista Publicada no Brasil, e esses números são da sequência de publicação em nosso país desde o início.

            Então vejamos, para cada uma das novas revistas da Culturama, os números são: Mickey 0, R.P.B 912; Pato Donald 0, R.P.B. 2482; Tio Patinhas 0, R.P.B. Pateta 0, R.P.B. 88; Aventuras Disney 0, R.P.B. 49. Para fins de registro essa é uma preciosa informação, que os verdadeiros fãs e colecionadores muito apreciaram. Outra excelente iniciativa da Editora Culturama!


            Assinantes terão direito a brindes surpresas relacionados às histórias, cliquem aqui para saber mais. Para mais informações sobre a assinatura é só clicar aqui.
Brinde da primeira assinatura: revistas + copo exclusivo


            Não poderíamos terminar nosso relato dessa grande festa de outra forma: muito obrigado Culturama, especialmente ao Paulo Maffia e a Janaína Silva (nossos contatos mais próximos na Culturama), por esse grande presente que deram a todos nós fãs da Disney, participar desse momento histórico de recomeço dos quadrinhos que tanto amamos no Brasil! Desejamos um enorme sucesso nesta empreitada, da qual todos nós só temos a ganhar!

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Corujice Turma da Mônica e Liga da Justiça






            Em dezembro último, a Mauricio de Sousa Produções, em acordo com a DC Comics, lançou em suas revistas de linha o aguardado crossover entre a turma da Mônica e a Liga da Justiça. Os personagens das duas casas editoriais participaram juntos de histórias em que não faltaram ação, muito humor, e algumas referências para deixar qualquer fã de quadrinhos mais que satisfeitos.


 
            Houve, é claro, aquelas tramas um pouco mais fracas que as outras, mas sem que o resultado se mostre menos satisfatório. Apenas queríamos um pouco mais, por exemplo, de O Plano Infalível e a Lanterna Verde, em Mônica 44. Em mais um plano infalível, o Cebolinha precisa de ajuda do Anjinho para conseguir vários itens na cor verde, e um deles, claro, foi a Lanterna Verde. Um pequeno problema é quando o proprietário desta aparece, e justo o Cascão, o maior nerd da turma, diz que é o Arqueiro Verde! Pode isso?

            O Lanterna é enganado pelo Cebolinha, sendo levado a crer que a Mônica é a Madame Dentuça Cósmica. A garota, capturada, convence o Anjinho a trazer a Mulher-Maravilha, e claro que a briga corre solta depois. A coisa fica mesmo feia quando o Capitão Feio entra na história, mas aí, claro, a Turminha se une para derrotar o vilão.

            E esse era o plano do Lanterna Verde e da Mulher-Maravilha o tempo todo. Bom, funcionou, claro, e além do mais Hal Jordan, o Lanterna retratado, não é conhecido por ser uma das mentes mais brilhantes da DC... Mas tudo bem. Além do crossover o que torna a edição absolutamente obrigatória é a história Insubstituível, protagonizada pela Turma do Penadinho e escrita pelo grande roteirista Flavio Teixeira de Jesus como uma homenagem ao Museu Nacional.

            Prepare os lenços, pois as lágrimas serão inevitáveis!





            Em Cascão 44 saiu O Mestre dos Mares, uma improvável aventura com o Aquaman! Inclusive há uma capa alternativa onde o herói é retratado com a aparência que tem no filme, interpretado por Jason Momoa. Já assistiu, aliás? Sim, é o melhor da fase atual da DC, disparado! Cascão enfrenta Cúmulus, o vilão líquido, e na fuga acaba topando com o rei dos mares. Seu tridente foi parar nas mãos de Cúmulus, e durante a luta acaba sendo apanhado pelo Cascão! A história ficou divertida pela originalidade, pena que depois ninguém acredite em nosso herói.



            Em Magali 44 saiu outra história muito original, muita fome para muita velocidade. A Magali adora duas coisas, comer e gatos, e se desespera quando os estoques da padaria, do mercadinho, de todos os lugares onde costuma se abastecer estão vazios. Ela logo descobre que o responsável é o Flash (e até na primeira temporada da série atual do velocista essa necessidade de muitas calorias foi explorada). Outro fato estranho é que todos os gatos do bairro estão sumindo, incluindo o Mingau.

            Mas Magali e o Flash conseguem segui-lo até um prédio abandonado, e enquanto isso pensem, quem no Universo DC adora gatos?

            Claro, a Mulher-Gato, que pretende usar os bichanos como um exército. A luta, claro, é cheia de ação, mas o Flash consegue derrotar a vilã. Surge então o Batman, que descobriu que até a felina estava sendo manipulada pelo Coringa. Com direito até à aparição do clássico Batmóvel do filme de 1989 tudo termina bem em mais uma divertida história.



            Em Chico Bento 44 o encontro é entre o garoto da roça, a Mulher-Maravilha e o Superman, com direito a este em uma pose clássica da mais clássica ainda O Cavaleiro das Trevas de Frank Miller. Em Esperança os heróis visitam a fazenda dos Bento, e o contraste entre dois dos heróis mais poderosos e a pacata vida no campo é um ponto central na trama. Contudo coisas estranhas estão acontecendo, os bichos da fazenda do Chico escapando aparentemente sem motivo, e Clark e Diana decidem investigar.

            A história é uma das melhores do crossover, com direito a causos de monstros contados pelo Chico em torno de uma fogueira, ao que Diana e Clark desconversam com risos, um incêndio no celeiro dos Bento com mais cenas clássicas, no caso a camisa aberta de Clark mostrando o S (sabemos que não é um S, aliás!), e Diana dando a volta celebrizada na série de Lynda Carter para surgir nos trajes da Mulher-Maravilha. O responsável por tudo é descoberto como Luís Leite, novo vizinho que tenta reorganizar a vida após uma grande perda, e que tentava prejudicar os Bento para conseguir compradores para os produtos de sua própria fazenda.

            Os heróis lamentam mas dizem que Luís precisa enfrentar a justiça. Mas Chico comenta que ele merece uma segunda chance, pois o vizinho estava desesperado, e deveria ter exemplos melhores do que aqueles que o ludibriaram. O garoto diz que assim ele poderia voltar a ter esperança.

            O Superman diz ao Chico que a maior virtude de um herói é a bondade e compaixão, e que ele foi o herói da história. O kryptoniano tira então sua capa, e a coloca nos ombros do Chico! A excelente história termina com uma ótima piada sobre os óculos serem o disfarce do Superman.

            Por sinal duas histórias curtas estão também entre as melhores da edição. Em Na Calada da Noite o cachorro Fido é visitado por várias assombrações e seres de outro mundo, e em uma trama de uma página Chico e Rosinha se envolvem com um pedido a uma estrela cadente.
 
            Turma da Mônica 44 tem outra história imperdível do crossover, O Níver, quando a Turminha vai, acompanhada do próprio Mauricio, para a Fortaleza da Solidão para o aniversário do Superman. As referências já começam com a chave gigante da porta do complexo e a nave que trouxe o kryptoniano à Terra, idêntica a do magnífico filme de 1978 protagonizado pelo inesquecível Christopher Reeve.

            As referências não param quando descobrem que na verdade quem os recebeu é um robô, e o verdadeiro Superman está com um objeto estranho atrelado a seu peito, ao lado de um alienígena de pele amarela. Cebolinha, de Bat-menino, usa o Gúgol para descobrir que o vilão é Mongul, que ao lado de Superman, Mulher-Maravilha, Batman e Robin protagonizou a clássica história de Alan Moore Para o Homem que Tem Tudo, publicada pela primeira vez em 1985.

            Enquanto Xaveco, vestido de Aquaman, não acredita que o Superman caiu pela segunda vez na “pegadinha da planta esquisita”, que concede a suas vítimas uma realidade mental na qual todos os seus maiores desejos se realizam, Mongul fica se gabando diante das crianças vestidas de heróis. Mônica aproveita para livrar o Superman da planta com uma coelhada, porém o vilão chama seus colegas, Lex Luthor, Brainiac, Super-ciborgue e Mxyzptlk entre eles.

            Este último, porém, manda a Turminha para a Zona Fantasma, onde eles encontram... claro que o Penadinho! Ele diz que para sair dali só com a Esteira Cósmica, clássico artefato do Flash para viajar entre realidades paralelas. Mônica com seu coelhinho dá a “motivação” de que todos precisam para correr, e eles vão parar na luta do Batman em Silêncio, mas ao invés de ser contra o Superman é contra o Capitão Marvel.

            Sim, o Capitão Marvel de verdade é aquele que grita Shazam, veste traje vermelho com capa branca e raio amarelo, e não se fala mais nisso!

            O plano dos vilões, claro, é eliminar a lembrança do Superman em todas as realidades. Enquanto o kryptoniano luta contra eles, a Turminha salta entre universos e histórias. Outra referência é da Mônica erguendo um carro verde, lembrando a capa de Action Comics 1 de 1938, a primeira aparição do Superman. Eles encontram a Mulher-Maravilha, Supergirl, Doutor Meia-Noite, Homem-Hora e Lanterna Verde.


            E é muito “lame” usar o Bugu, o amigo amarelo do Bidu, para fazer o Lanterna Verdade retomar suas faculdades mentais... mas foi divertido!

            Aquaman com inevitáveis piadas e até coelhada no Arraia Negra, Flash e Aço fazem aparições, e finalmente a Liga da Justiça está pronta para o grand finale. E claro, Mongul leva uma merecida coelhada, e finalmente a festa do Níver pode começar.

            Evidentemente, entre as histórias da Turminha, a melhor de todas aconteceu em Cebolinha 44, Eu Trabalho Sozinho. E as inúmeras referências já começam na capa, homenageando a clássica pose de O Cavaleiro das Trevas de Frank Miller, com Mônica como a Robin de Carrie Kelley, Cebolinha como Robin de Tim Drake e Cascão de Asa Noturna. E claro que eles estão acompanhando ele, o maioral, o cara, o melhor de todos, o que sempre tem um plano.



            O Batman!

            Já na primeira página há uma referência à melhor encarnação do Cavaleiro das Trevas fora dos quadrinhos, a antológica Série Animada produzida entre 1992 e 1995. Bruce Wayne participa da festa de inauguração de um novo ginásio no Bairro do Limoeiro, financiado pela Fundação Wayne. Da Batcaverna, Alfred monitora a situação, pois o outro motivo da presença de nosso herói é que Arlequina está nas redondezas.

            A vilã se revela e rapta Marina, e enquanto todos assistem ao noticiário (sim, as telas de TV no lugar dos quadrinhos, outro clássico de O Cavaleiro das Trevas, e por sinal a apresentadora é a mesma, Lola Chong), Cebolinha está no quarto imaginando como pode ajudar. Nisso ele vê uma sinistra silhueta contra a lua, que vem a ser nosso herói novamente em uma pose clássica.

            Preocupada, Mônica vai visitar o amigo, e conversa com Cebolinha a meia-luz, com uma mesa entre eles... Piada Mortal, alguém disse?

            Enquanto isso Cebolinha percorre a noite vestido de Robin, e encontra o Morcego surrando o Capitão Feio e outros vilões. É, eles nunca poderiam se preparar para enfrentar essa força da natureza, mas nosso herói fala que aquele não é trabalho de criança. Só que em seguida chegam Asa Noturna (Cascão) e Robin (Mônica). O Cavaleiro das Trevas se vai depois de mandá-los para casa, mas claro que o Cebolinha não está satisfeito e sugere que os três atuem no caso a fim de descobrirem quem é o melhor Robin.

            Enquanto isso, Cascão e Mônica localizam o esconderijo da Arlequina e cuidam de seus capangas, em mais uma referência à Série Animada. Chegam Batman e Cebolinha, e quando confrontam Arlequina, descobrem que ela usou o lápis mágico de Marina para criar um monte de Pudinzinhos, melhor dizendo, Coringas!

            Com as habilidades do Batman, mais um plano infalível do Cebolinha (que funcionou) os vilões são derrotados. O Comissário Gordon aparece para levar Arlequina de volta ao Arkham e ao seu Pudim. Claro que o Cavaleiro das Trevas dá uma bronca nos três, mas diz que trabalharam bem em equipe e foram excelentes Robins. Os quatro desaparecem das vistas do Comissário, outro momento clássico, e termina assim a melhor história do crossover da DC com a Turminha!

            Calma, ainda tem a Turma da Mônica Jovem!

            Cá entre nós, a segunda fase da TMJ vinha me decepcionando um pouco até aqui. Desde o final do namoro entre a Mônica e o Do Contra, aliás, em que pesem as extraordinárias histórias com pano de fundo de terror e fantástico do Emerson Abreu. Mas estes crossovers foram extremamente bem produzidos!

            O primeiro, na TMJ 25, é assinado por ninguém menos que Flavio Teixeira de Jesus, o homem por trás da série Clássicos do Cinema da Turma da Mônica, com histórias antológicas no currículo como Coelhada para o Futuro, Star Tranko, Cascão Porker, e O Senhor dos Pincéis! Além da própria Insubstituível já mencionada. Odisseia Infinita começa com o aniversário do Cascão, ganhando dos amigos vários itens nerds, enquanto que em outro universo a Liga da Justiça tem um duro combate contra os vilões liderados por Lex Luthor, Darkside e Coringa. Luthor está inclusive de posse da Lança do Destino, mencionada na clássica história A Era de Ouro, lançada em 4 fascículos em 1998 e protagonizada pela Sociedade da Justiça, como um poderoso artefato místico que controla heróis com poderes.

            Foi pelo fato de ela estar com os nazistas, aliás, que os super-heróis não atuaram diretamente na Segunda Guerra Mundial do Multiverso DC.

            O jogo vira para os vilões quando o Coringa chega com uma caixa materna, e Mxyzptlk usa um cristal Kirbyrilium de sua quinta dimensão (evidente homenagem ao mestre Jack Kirby), para adulterar a caixa materna e com ela capturar os heróis em 52 realidades das quais não irão sair.

            Arlequina é escolhida para a tarefa, mas quando a completa vai parar no Bairro do Limoeiro, acompanhada de Átomo. Este é resgatado pelo Franjinha que o leva para a turma, para imensa alegria do Cascão, que desmaia quando sabe que a Liga da Justiça também está na área. Por sinal o maior nerd da turma se encarrega das referências quadrinísticas.

            O plano de Mxyzptlk envolve ainda os vilões do Limoeiro, mas a realidade da Turma também tem um herói, o Astronauta! No calor da batalha ele acaba colhido pela caixa materna, porém libertando a Liga da Justiça. Os heróis se reagrupam, mas os vilões também, e de novo graças ao Kirbyrilium os vilões liderados pelo Capitão Feio têm um upgrade em seus poderes.

            Mas a Turma também recebe poderes pelo mesmo fenômeno, e ai podem também contribuir na batalha. O mais legal é ver o Cascão com os poderes do Flash, e a Magali com os da Mulher-Maravilha, com direito a piadas com o Laço Mágico. Mas o plano de Mxyzptlk envolve liberar um robô gigante chamado Gorco, enterrado desde os tempos do Horácio, graças ao qual o duende pode permanecer indefinidamente na realidade do Limoeiro.

            A coisa engrossa de vez, mas graças aos esforços de Átomo e Franja o Astronauta é libertado, e com ele chegam outros personagens do Multiverso da Turma da Mônica formando a equipe Defensores do Limoeiro. A luta contra o robô é dura, mas Mônica finalmente o derruba, antes de Átomo transportá-lo a sua realidade com a caixa materna. Despedidas feitas e alguma pieguice depois, o que causa reclamação até do Cascão (afinal ainda é o aniversário dele) os heróis também voltam para casa, com direito até a menção ao clássico desenho Superamigos.

            Os Mais Jovens Heróis da Terra, história publicada na TMJ 26 e que encerra com chave de ouro o crossover, tem roteiro de Marcelo Cassaro, veterano tanto da MSP quando da Disney nos tempos da Abril. A trama é independente da edição anterior, e tudo começa com uma batalha, sobre o Oceano Pacífico, entre o Superman e o Capitão Feio. O vilão escolheu aquele lugar pela concentração de poluentes e lixo, amontoados pelas correntes marinhas. Os dois finalmente mergulham na água e desaparecem.

            No Limoeiro, Franjinha está exibindo para a Turma (mais o DC) sua nova invenção, uma máquina de teletransporte. O pessoal reclama das máquinas do tempo que nunca funcionam direito, e Mônica lembra que as máquinas de teletransporte são a segunda categoria de invenção mais problemática do jovem gênio. E novidade, todos recusam, menos é claro o Do Contra. Quando a máquina é acionada, entretanto...

            Rapidamente, Mônica vai parar em Themyscira, Cebola na Batcaverna, Magali nos Laboratórios Star e Cascão em Atlântida, remetendo a suas respectivas revistas da Turminha já mencionadas. E o DC?

            Em Oa, planeta dos Guardiões do Universo, lar dos Lanternas Verdes, com direito a aparições de Tomar-Re, John Stewart, Kilowog e outros membros da Tropa. E o diálogo entre o DC e o grandão que é sargento do exército verde é bem divertido.

            Franja reaparece na Torre de Vigilância da Liga da Justiça em órbita, e ao lado do Ciborgue se torna o elo de ligação, com todos os heróis e membros da Turma para lá convergindo. Antes Mônica recebe o laço da Mulher-Maravilha emprestado para vencer um desafio, e Cebola faz um tour lotado de referências na Batcaverna, referências estas inclusive a algumas de suas grandes histórias na primeira fase da TMJ.
 
            E são Aquaman e Cascão que primeiro se deparam com a grande amaça no Pacífico. Grande MESMO, e aqui se apresenta o momento que fez este escriba vibrar e se emocionar muito. Claro que envolve o Capitão Feio, como vimos no começo, na forma de um descomunal monstro de lixo de quilômetros de extensão.

            A referência visual, inclusive devido aos monstros menores que se desprendem da superfície do colosso, é a da já clássica, e por muitos considerada a melhor HQ do século XXI (inclusive por este escriba) DC: A Nova Fronteira. Obra máxima do saudoso quadrinista Darwyn Cooke (1962-2016), ela coloca uma quantidade espantosa de personagens da DC em uma trama que se estende por anos, abrangendo desde os anos 1940 durante a Segunda Guerra Mundial até o início dos anos 1960 e do governo de John Fitzgerald Kennedy. Publicada originalmente em 2004, essa HQ foi adaptada como um filme animado em 2008.

            O resultado ficou bom, mas lamentavelmente não chegou nem perto da grandiosidade e emoção do material original. DC: A Nova Fronteira, merece figurar tranquilamente ao lado de Batman: O Cavaleiro das Trevas e Watchmen como uma das melhores e mais influentes histórias em quadrinhos de todos os tempos! E sim, sou fã de carteirinha!

            A batalha é absolutamente grandiosa, e com um perfeito timing chegam os Lanternas Verdes Simon Baz e Jessica Cruz... acompanhados do DC! Os Guardiões gostaram da mente imprevisível do melhor personagem da TMJ (também sou fã). Eles trabalham em conjunto com a Mulher-Maravilha, a fim de permitir que o Aquaman resgate do interior do monstro o Superman e o Capitão Feio.

            O final do gigante é muito parecido com a também descomunal ameaça de A Nova Fronteira. Tudo termina bem, e a Mulher-Maravilha deixa claro o quanto todos foram heróis ali.

            O Grande Encontro Turma da Mônica e Liga da Justiça foi simplesmente sensacional, com histórias divertidas, muitos momentos de humor, heroísmo e emoção, além de referências que fazem a alegria do fã desses personagens incríveis. Um especial de encher os olhos que já é obrigatório em qualquer coleção.

            Nos vemos de novo por aí, em algum desses infinitos mundos paralelos.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Como foi: StarCon os Mundos de Doug Jones




Neste sábado (02/02) no Teatro Eva Wilma o pessoal da Nova Frota realizou a StarCon – Os Mundos de Doug Jones. O teatro ficou pequeno na expectativa da entrada do ator que, como foi dito, estava tomando água. No grupinho de Staff só ouvi “será que ele gostou da forma da água do Brasil”?

            Doug Jones entrou no palco para o bate papo ao som da banda PAD com uma versão mais rock’n roll da abertura de Star Trek Discovery. E não foi apenas um “hi” e andar até o centro do palco. NÃO!!! Doug Jones tem que entrar em grande estilo: dançou no seu jeitinho "quirky" (peculiar) de ser, divertindo a todos nos primeiros minutos do que viria a ser um ótimo bate papo!




            Entre a dança de Doug no palco, aplausos e muito bate papo nerd, alguns momentos se destacaram.
           
            Foi demais Doug falando sobre como decora textos, especialmente desafiadores, pois como Saru é comandante (e todos queremos vê-lo na cadeira do capitão!), seu vocabulário é muito técnico. Tradicionalmente isso é chamado em inglês de TECHNOBABBLE, traduzido no português como tecno baboseiras. Doug comentou que é muito interessado em assuntos científicos, e conforme ouvimos dele na coletiva de quinta feira (LINK), ele estuda como se fosse para uma prova. Concluiu dizendo que não se trata de tecno baboseira, mas de Science Talk, ou conversa científica.

            Nota do Renato: me ganhou definitivamente aí.

            Sobre sua carreira, Doug comentou que assistia muitas sitcoms, é fã e se inspirou em Boris Carloff. Quando chegou em Hollywood sabia que devido ao seu físico peculiar deveria ser engraçado ou assustador, e interpretou vários papéis assim.

            Quando questionado sobre o que mudaria em Saru, disse que espera que um dia ele não tenha mais os gânglios Kelpianos (threat ganglia). Claro que todos nós gostaríamos de um dia sumir com nossos próprios gânglios, não é?

            Uma das perguntas que chamou atenção foi sobre ele estar em redes sociais e interagir com as pessoas. A dúvida foi se era ele mesmo ou algum assessor que respondia e curtia. É ele mesmo. (Nota da Má: ele já curtiu alguns posts meus e isso me fez tão feliz! Leia até o fim para descobrir o motivo)

            Nosso querido amigo Michel perguntou se ele gostaria de interpretar mais de um personagem em cena. Doug respondeu que já recebeu o convite para fazê-lo em Discovery, mas que por ter então o dobro de falas e expressões corporais para decorar, o trabalho que já é pesado seria ainda mais desafiador. Ele disse já ter feito isso em Falling Skies e que consideraria um trabalho assim em Discovery se o segundo personagem fosse humano. Quem sabe aconteça?

Um detalhe de Discovery que comentou foi o episódio 2 da segunda temporada ter sido dirigido por Jonathan Frakes, o comandante Riker da Nova Geração. Doug o conheceu em Falling Skies, comentou que Frakes é muito divertido e que foi ótimo trabalhar com ele.

            Outro amigo nosso, Nogueira, não fez uma pergunta, mas um pedido. Ajoelhando-se, disse que Doug deveria ter o papel principal em uma nova versão de “As Sete Faces do Dr. Lao”, clássico filme de 1964 que já foi muito exibido na Sessão da Tarde. (Nota do Rê: SIM! Houve época de filme bom na tv aberta...) Depois de brincar que pensou que receberia uma proposta de casamento, Doug disse que adora o filme, já ouviu rumores de um possível remake, e que adoraria estrelá-lo. “Quem sabe?”, encerrou.

            Depois da pergunta/pedido do Nogueira, encerraram o bate papo, mas Julia correu para a borda do palco para fazer uma ótima pergunta: “quanto tempo levou a maquiagem mais demorada?”. Para quem não sabe, essa moça tem nove anos e é espoleta de tudo! Doug respondeu que Abe Sapien, de Hellboy levava em média 7 horas para ficar pronto para gravar.

Pouco antes dos autógrafos o pessoal participou das fotos. Infelizmente fica para a próxima, mas confirmaram o que pudemos perceber: que ele é muito fofo, carismático e divertido. Podemos ver isso pelas fotos abaixo com alguns de nossos amigos.
Dennis Himura
Nat Borges

Liko Ono com a máscara de Linus



Hora do autógrafo


Renato:
            Pensei bastante antes de decidir entrar na fila de autógrafos. A Má tinha o Funko do Abe, um dos personagens mais legais do Doug, mas eu não levei nada. Porém, folheando um dos exemplares disponíveis em um dos estandes do Diário de Bordo, a publicação da Nova Frota, me deparei com um número bem interssante.

            Homenagem a Stan Lee na matéria de capa, um artigo sobre a histórica vinda de Leonard Nimoy para a Convenção da Frota Estelar em 2003, e textos sobre Doctor Who e o filme Primeiro Homem. Ainda mais, uma página dupla com o anúncio da Convenção os Mundos de Doug Jones, com uma bela foto dele fazendo a saudação vulcana de Vida Longa e Próspera.

            Depois do que ele disse na apresentação no palco, que não considera as tradicionais tecno baboseiras assim, mas conversas de ciência, ele definitivamente me ganhou!


            Então decidi ir para a fila de autógrafos depois de gravar os amigos Liko, Michel, Wilton, e claro a Má. Por sinal, quando o Doug viu a faixa da FFESP aberta pelo Wilton, com assinaturas de vários autores de outras séries da franquia, ficou boquiaberto!




            Enfim, depois com a senha 1122 chegou a minha vez, e Doug adorou quando abri a revista a sua frente. Brincou que saiu bem na foto, e que estava ótimo em outra imagem menor no mesmo anúncio.

            Ele comentou que a foto é da premiere da primeira temporada de Discovery, e esta ainda estava circundada por imagens menores de vários de seus personagens. Comentei isso, ele concordou e acrescentei que por trás de todo grande personagem há um grande ator.

            Ele respondeu “awwwnnn”, terminou o autógrafo, levantou, agradeceu, me deu um abraço e um beijo. Nos despedimos comigo desejando-lhe muito sucesso em muitos anos em Star Trek Discovery. Doug Jones agradeceu efusivamente, ele é além de um estupendo ator, um cara absolutamente sensacional!



Má:
           
            Com o número 1092, tive 91 pessoas antes de mim até me tocar que ia ficar tête-à-tête com o ator que interpreta alguns dos meus personagens favoritos: Billy Butcherson, Saru e Abe Sapien (claro que falei para ele que essa ordem era fácil demais para mim, mesmo sendo um evento de Star Trek). Ainda na fila, logo depois de mim a fofa da Júlia de 9 anos foi elogiada pelo agente do ator por ter feito uma das melhores perguntas no final do bate-papo (vide acima). Ela me pediu para ser sua porta voz na sua vez... ai ai...

            Bom, quando cheguei lá... Gente, eu não chorei! Quem me conhece isso foi milagre... Voltamos a um “Hi” meio tímido, ele pegou o Funko que levei do Abe Sapien, adorou e perguntou se eu colecionava. Disse que sim, mas o dele seria o primeiro autografado, ao que ele respondeu que seria uma grande responsabilidade. Falei dos meus personagens favoritos e ele agradeceu, dizendo que gostava deles também. Pouco antes dele se levantar, pois estava levantando para abraçar e beijar a TODOS!, eu tive que dar o recado da minha mãe “manda um beijo para ele!”e Doug Jones fez um “awww” tão fofo quanto o próprio humano que ele é. Abracei um ser lindo por dentro e por fora, que tem um abraço tãããão gostoso! Peguei meu Funko devidamente autografado e falei para ele que a Julia havia me pedido para ser sua tradutora oficial (como se isso pudesse ser feito, mas ok), ele levou numa boa. Ela disse que não falava bem inglês, Doug respondeu que não tinha problema pois não falava português. Ela só pediu uma coisa simples para ele: um abraço bem apertado.

O resultado? É só ver o vídeo.


Duas crianças felizes!!!

            No espaço reservado para os standistas havia a costumeira variedade de produtos nerd: camisetas, colecionáveis, canecas, chaveiros, bottons, toalhas, meias, livros... grande destaque para nossos amigos porteños do Star Trek Argentina, que vieram prestigiar o ator.




Star Trek en Argentina


              Tietar os dubladores é ótimo! Sempre nos divertimos com eles. Esse é o Fábio Moura e fãs queridos ao seu redor.

Diego Lima: Tyler e diretor de dublagem
Renato, Tilly e Tilly... mas perae... é a Bruna Matta, a voz da Tilly!




               O dia fechou com chave de ouro: dubladores de Discovery: Fábio Moura (Comandante Saru), Cecília Lemes (Georgiou), Bruna Matta (Tilly) e o diretor de dublagem e voz do Tyler: Diego Lima. Além de stand up nerd com André Santi e Lucas Moll; sorteio e concurso de cosplay. Aliás o pessoal de cosplay deu show!







             Esperamos o próximo evento da Nova Frota: 30 anos, a ser realizado em agosto. Vamos trazer detalhes em breve!

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Explicando um pouco minha tietagem e alegria de saber que é ele que responde os recadinhos:

*Direto para @actordougjones Você não tem ideia da alegria que foi conhecê-lo hoje. Você não é somente um grande ator, mas um incrível e humilde ser humano (além do meu Kelpian favorito). Obrigada por vir ao Brasil e dividir sua luz conosco hoje. Você é ótimo! Achei que eu ia começar a chorar ou algo do tipo na minha vez. (no post eu coloquei o vídeo do autógrafo) De algum modo agora quero voltar e assistir todos seus filmes agora com outros olhos.
Resposta dele: Obrigada por todo o amor, minha preciosa Marcia!!!


Gente, eu me senti a mais preciosa do Senhor dos Anéis! Muito amor por ele!